Estado de exceção – Copa 2014

28 maio, 2011 Deixe um comentário

Boa tarde.

A ESPN Brasil, principalmente na voz do Lúcio de Castro, comentarista do RJ, tem levantado uma questão muito interessante e que merece ser discutida no Brasil.

Já existem dados que mostram que os governos estaduais e federal tem desapropriado terras e tirado famílias de suas casas para que as obras para a Copa de 2014 (estádios e outros) andem no ritmo que precisam. Estão passando por cima da lei, há 03 anos da Copa.

Quando o período se encurtar e as coisas começarem a apertar, tudo indica que veremos muitos desmandos para que as obras terminem, e o Brasil não passe um vexame histórico de não ter condições de fazer a Copa, conquistada mais de 04 anos antes.

Muita água, lama, dinheiro, sangue, suor e lágrimas passará por baixo da ponte da Copa 2014.

 

A obra do Maracanã já dobrou de custo, e já está perto da casa de 1 BI de reais.

São Paulo não participará da Copa das Confederações. Inadmissível!!

 

Recomendo a leitura do artigo do Lúcio de Castro, ex-Sportv, no site da ESPN: http://espn.estadao.com.br/luciodecastro

Na verdade… um país que mantém Don Ricardo Teixeira Corleone na presidência da CBF não pode reclamar de nada.

Se sair a Copa, beleza!

Se não sair, tenhamos em mente que isso pode não ser tão bom para o Brasil.

Em um país corrupto como o nosso, esse tipo de evento deixa pessoas milionárias, um bando de iludidos sonhadores exultantes, e pobres com menos expectativa de melhora.

Em tempo: eu não sabia que esse site existia, quem será que paga por ele? http://www.copa2014.org.br/

Abraço.

Don Corleone é pouco...

Ana Maria Braga: um copo de leite, 2 colheres de sangue…

28 maio, 2011 Deixe um comentário

Olá!

Alguns dias, antes de sair de casa, a TV está ligada e eu escuto um pouco do programa da Ana Maria Braga.

A produção dela está simplesmente sedenta de sangue.

Aprenderam com Brasil Direto, Aqui Agora, Alborgueti (esse é velho, já morreu inclusive…) uma coisa que todos sabemos há tempo: tragédia dá audiência, nos prende em frente à notícia. A briga por audiência cai para o lado da violência, do sangue, do “mundo cão”.

Aí surge minha primeira contradição: estamos todos cansados de violência, queremos uma vida mais calma, mais justa, mas damos audiência aos programas que mostram sangue. Isso é do ser humano, eu acho… passar devagar do lado do acidente na estrada pra ver tudo…

A entrevista que a Ana Maria Vampirão fez, um ou dois dias depois daquele terrível incidente na escola de Realengo, com uma das sobreviventes, foi no mínimo chocante. Expor a menina daquele jeito, pouquíssimo tempo depois de um choque que provavelmente vai acompanhá-la por toda a vida, é uma imbecilidade. E parabéns para a mãe da menina também, de aceitar expô-la assim. “Vou aparecer na Globo, na Ana Maria…” ela deve ter pensado…

A outra contradição que tenho é: mundo cão é realidade?

Meu pai, em coro com milhares de pessoas, dizem quando assistem o Datena: “Isso é a vida real”.

Vida real?

E a vida que se procura, de paz, harmonia, não violência, a vida que se vive na maioria das cidades pequenas pelo mundo é o que? Fantasia??

Isso não é vida real, isso infelizmente faz parte da vida.

Abraço.

Muito bom!

 

 

As crianças do futebol

1 maio, 2011 Deixe um comentário

Final de semana de muitas decisões pelo Brasil no futebol… Meu Figueira tá muito bem na pré-temporada, o time titular tá ganhando todas dos reservas… tá voando…

Assistindo os programas de esporte essa semana, não teve como deixar passar as semi-finais do Paulistão.

Santos e São Paulo foi um jogão, o Santos tá voando, ver Neymar e Ganso jogando com Elano e Muricy no banco é histórico.

Hoje, assistindo Palmeiras x Corinthians, voltou a tona ele, Felipão.

Felipão é um gauchão de estância, briguento, zagueiro trombador e de pouca técnica, e com uma característica muito peculiar: paizão.

O típico “pai de pivete”, que o filho apronta o que quiser e ele defende, porque incentiva, pelas suas ações a agressividade e o descontrole. Não podia ter caído em ambiente mais apropriado para seu comportamento:o futebol.

Felipão passou a semana criticando a fórmula do Paulistão, o estádio e principalmente o árbitro, Paulo César de Oliveira, que é, na minha opinião, um baita árbitro, muito profissional e bem preparado, cansado de apitar decisões muito importantes.

O Palmeiras entrou muito nervoso no jogo, com Kléber fazendo o que ele faz de melhor: encher o saco do árbitro, do adversário, de todo mundo, menos do Felipão e do time dele.

O Palmeiras botou fogo no jogo, pena que no mal sentido… Kléber cavou falta com 03 minutos de jogo e levou cartão amarelo com 5 minutos, Danilo deu uma voadora no Liédson e foi expulso, corretamente. Felipão e Tite bateram boca na beira do campo, e Felipão foi expulso. Paulo César de Oliveira, dono do jogo, dono do apito, resolveu a parada como tinha que ser: expulsou corretamente o Danilo, mas não o Felipão, mes o Felipão pediu… criticou a semana inteira e botou o árbitro, antes do jogo, contra ele. Tomou!

Fora que o Valdívia e outro jogador de meio campo saíram machucados, por lesão muscular, muito provavelmente resultado de toda a tensão da semana.

Até 30 minutos do primeiro tempo praticamente não teve jogo!

É muito brabo...

Aqui começa o que eu queria escrever:

Porque o futebol profissional é tão cheio de “crianças mimadas”?

Eu entendo que os jogadores são garotos que desde muito cedo são chamados a responsabilidades muito grandes, que lidam com a maior paixão de muitas pessoas sem ao menos saber lidar com as suas, que muito de repente ganham mais dinheiro do que sabem lidar ou gastar, fora a fama e as más influências. Esses jogadores viram treinadores, continuam com dinheiro e sem estrutura, são viciados em competição, em adrenalina, e são cobrados por diretores e patrocinadores-torcedores e pela massa insana e apaixonada.

Essa indústria do futebol tem que parar de explorar estes garotos, dar mais estrutura para eles, que na sua maioria vem de famílias pobres e muitas vezes desfeitas.

Jogadores, pensem no futuro.

Vejam quantos jogadores de outras épocas, famosos ou desconhecidos, morreram na miséria, sem dinheiro, sem ensino, sem uma profissão a seguir depois de terminada a carreira no esporte. Se não quiserem estudar, invistam em atividades que conheçam e que tenham vontade de exercer, e trabalhem com a mesma vontade que correm hoje atrás da bola.

Torcedor, futebol é só um esporte. Aprecie o esporte, vá ao estádio, mas a paixão desmedida não ajuda ninguém e nada na vida.

(A Chapecoense já empatou… vou lá ver o finalzinho…)

Abraço.

Minhas influências…

22 abril, 2011 2 comentários

E aê??

Quem me conhece sabe que sou baterista desde meus 14 anos, mais ou menos…

Já toquei nas bandas: Sr. Flint (com meus grandes amigos, bravos e corajosos Toninho, Anísio e Betão), Aikahanna (com Rocka, Léo, Max, Alberto e Rafa Gauchinho, que mora hj no Chile) e Destilado (com Dino, Vlad, de novo o Anísio, Amanda e Vanessa).

Foram mais ou menos 10 anos tocando, com muito esforço, pouquíssima grana e boas festas.

Tocar um instrumento é uma cachaça! Tira a gente do mundo naquele momento… Eu recomendo a todos que aprendam um instrumento, é muito bom.

Hoje, assistindo um especial do Paralamas na TV, comecei a lembrar dos bateristas que me marcaram (o Barone é um deles), que me fizeram querer aprender mais, estudar mais, e tocar, principalmente. Alguns, em especial, eu lembro sempre que toco, e imagino se aquela música está soando como soaria com eles…

Quero apresentar os batéras que mais me marcaram:

LARS ULRICH – METALLICA

lars ulrich metallica baterista drummer

Lars Ulrich - Metallica

Ele simplesmente me fez querer aprender a tocar bateria.

O jeito de tocar, a plástica dos movimentos que a bateria exige, a pegada, o kit branco de 04 tons Tama maravilhoso, da época do Black Album, a fama avassaladora que o Metallica tinha na época (estamos falando de 1991, 1992…). tudo isso me fazia assistir por horas as raras fitas gravadas da TV como um “Fúria Metal MTV – Especial Metallica” e do “A Year and a Half in the Life of Metallica” (aaahhh, o Youtube…..) e só ouvir Metallica no walkman. Só Metallica, mais nada!

Arrogante, pretensioso, intragável, um rock star perfeito para um fedelho como eu.

Acreditou que podia derrubar o Napster e a onda do compartilhamento de mp3 (pirataria) que surgia como um furacão nessa mesma época… Ingênuo Lars…

Thanks, man!

No palco diamante da época do Black Album, tinha 02 dessa!! DUAS!!

CHARLES GAVIN – TITÃS

Sério, compenetrado, com boa técnica e comprometido com a banda, Charles Gavin começou tocando no Ira!, depois de trocou de banda com André Jung (fazendo o caminho inverso).

Na época do Titanomaquia, um disco pesado produzido nos EUA por Jack Endino, que já tinha produzido Nirvana na época, saiu do pop e começou a tocar pesado e bonito.

Estudioso da música, produz e recupera discos antigos atualmente. Tem um programa no Canal Brasil (ou tinha, pelo menos…)

IGOR CAVALERA – SEPULTURA

Monstro destruidor de kits.

Com Max Cavalera e o Sepultura criaram o New Metal, juntando uma percussão brutal ao metal, no lendário ROOTS. Tudo que veio depois, na linha de Limp Bizkit, Korn, Evanescence, Linkin Park, Incubus, Papa Roach, POD, Slipknot, saiu do Roots de alguma forma.

Eu comecei a desapegar do Metallica quando ouvi ARISE.

Lindo!!

Sepultura da época do Arise

Foi ficando cada vez mais “grosso” (escutem o disco Against), até cansar da porra toda e ir para a música eletrônica. Mas já tá no metal de novo…

Idas e vindas, saída de Max do Sepultura, identificação muito forte com o irmão e brigas dos outros integrantes com Max e a mulher, que empresariava o Sepultura, o fizeram montar um projeto de música eletrônica com a mulher, e depois o Cavalera Conspiracy. Laço de sangue é foda…

Igor, hoje Iggor Cavalera (sente a tatoo do capeta no braço... tenso!)

JOÃO BARONE – PARALAMAS

Um baterista brasileiro.

Ska, reggae, pop e ritmos latinos fazem parte das influências do Paralamas, e das influências de Barone.

Uma técnica incrível, tranquilidade ao tocar, e uma sonoridade tão latina quanto pesada. Tocaria com Santana, Ira e qualquer banda de reggae na mesma noite.

João Barone

JOHN BONHAM – LED ZEPPELIN

Grosso, rápido, pesado, sutil, suingado, dinâmico, gravou um clássico solo de bateria sem baquetas, Moby Dick:

Morreu com 40 e poucos anos, num acidente depois de tomar mais de 40 doses… afogado no próprio vômito…

Deixou um filho que toca demais, Jason Bonham, e recebeu o apelido de “pé de coelho” de Hendrix, impressionado com a velocidade do seu pé direito.

Quebra tuuuudoooo, poooorrrraaaaaa......

Olha que kit, que obra prima!!


Maravilhoso!

Para finalizar as maiores influências…

MIKE PORTNOY – DREAM THEATER

Simplesmente eleito o melhor baterista de metal do mundo por 10 anos seguidos, membro do Hall da Fama dos bateristas, um dos kits mais monstruosos e brilhantes de todos os tempos, influência de 10 entre 10 bateristas que tenham começado a tocar nos últimos 20 anos.

Extremamente gentil com seus fãs, chama eles ao palco para tocar com ele.

Gravava sua performance durante as gravações dos discos do Dream Theater e lançava todos em DVD.

Incansável, brilhante, perfeccionista, talentosíssimo, compulsivo, meio nerd, fã de Metallica, Beatles, Led, Rush e Kiss, o cara é uma referência mundial.

Siamese Monster é o nome da besta-fera que ele tocava na época do “Falling into Infinity”:

O monstro siamês! Não tem nada sobrando nem fazendo cena...

Por causa dele, eu comprava pratos Sabian e colava o adesivo na pele do bumbo...

Infelizmente saiu do DT mas segue tocando.

Músico profissional é atleta! O corpo não aguentou mais de 20 de esforço repetitivo.

Esse post já está grande demais…

No próximo vou botar mais alguns que eu gosto bastante.

Abraço.


“Promotora de Justiça é presa em DF” ou “Mais um agente da lei preso” ?

21 abril, 2011 1 comentário

Bom dia.

Eu ainda estranho quando notícias de prisão de agentes da justiça, como advogados, promotores, juízes são veiculadas pelo cargo, e não pela pessoa.

Já faz muito tempo que estes pressupostos paladinos da justiça se entregaram à corrupção, ao crime organizado, à ganância e a todos os males que o dinheiro fácil traz, principalmente por conhecerem o esquema por dentro.

É daí, na maioria dos casos, que nasce a corrupção. Muitos elementos do serviço público (de policiais a funcionários públicos das repartições) entram justamente para conhecer o lado de dentro, e aproveitar disso, especialmente pelo tráfico de influência.

No DF, foi a vez da promotora Débora Guerner, que filmou a atuação do mensalão do DEM, encabeçado por José Roberto Arruda, e cobrava dinheiro do delator do caso, Durval Barbosa, e preparou “a cama” para, caso fosse pega, fugisse da justiça, pois já tinha consigo dois atestados de problemas psiquiátricos e transtorno bipolar.

A vagaba armou a arapuca e preparou a fuga, de modo covarde e mentiroso, como sempre.

Quando chegou na delegacia, a piranha cobriu o rosto e saiu dando socos e chutes nas câmeras da imprensa… aaaalokaaa!!

Vejam aqui: http://www.band.com.br/primeirojornal/conteudo.asp?ID=100000423470

Ou aqui:

Entenderam o lamaçal??

José Roberto Arruda armou o mensalão do DEM no DF – Durval Barbosa, parte importante do esquema, traído, entregou o esquema – Antes disso, a promotora Débora Guerner filmou tudo e chantageou Durval, que sem saída entregou o esquema. O casal tinha R$ 280.000 enterrados no quintal de casa!!!

Digno de Tarantino, ou Guy Ritchie, principalmente se tivesse algumas mortes.

Abraço.

SC na rota do terrorismo internacional!

19 abril, 2011 Deixe um comentário

Reproduzido na íntegra do blog VISOR, do DC:

Atendendo a alguns pedidos, reproduzo no blog a coluna deste domingo do Visor:

Mohamed Ali Abou Ibrahim Soliman, 44 anos, é um comerciante integrado à tradicional comunidade muçulmana da Rua Conselheiro Mafra, no coração de Florianópolis. Toma café com os amigos diariamente, por volta das 9h30min, sempre na mesma lanchonete do Mercado Público. Ri das repetitivas piadas que o chamam de Osama e homem-bomba. Geralmente, atende apenas pelo apelido de Egípcio. Casado com uma brasileira, é pai de uma menina, também nascida no Brasil. Soliman, de acordo com a edição de 6 de abril da revista Veja, é acusado de ter participado, em 1997, do atentado que matou a tiros de metralhadora 62 turistas nas ruínas do hotel Luxor, no Egito.

Foi preso pela Polícia Federal em Foz do Iguaçu, em 2002, por seu suposto envolvimento com o terrorismo no Egito. Respondeu a um processo de extradição, solicitado por seu país de origem, onde teria sido condenado à pena de morte pela Justiça egípcia. Para defendê-lo, contratou Amauri Serralvo, um dos mais renomados, e caros, advogados do Distrito Federal. A ação foi arquivada por falhas processuais. Ele, inocentado. Desde então, vive no país absolutamente legalizado. Possui visto permanente e não tem um só registro de conduta desabonatória. Mas uma simples consulta à PF confirma que, para a Interpol (braço internacional das polícias), seu nome segue na lista de difusão Vermelha, que o considera um criminoso procurado em outros países.

O Visor teve acesso ao acórdão do STF, relatado pelo ministro Carlos Velloso, que indeferiu o pedido de extradição, onde consta o depoimento dele à Polícia Federal. Soliman garantiu que nunca usou armas e nem integrou grupos terroristas. Segundo a revista Veja, ele foi treinado no Afeganistão pelo grupo de Osama Bin Laden e pertenceria à organização al-Gama’a al-Islamyya, criada em 1973 e que depois subordinou-se a Bin Laden. Em 2003, também conforme a Polícia Federal, Soliman ingressou com uma solicitação formal de refugiado. Ainda não obteve resposta. Ao ser procurado pela reportagem do DC em um prédio da Conselheiro Mafra, sexta-feira à tarde, os funcionários dua sua loja limitaram-se a informar que ele estava viajando para Foz do Iguaçu.

Inacreditável. Viramos rota de fuga.

Abraço.

Roger Abdelmassih pode ter fugido para o Líbano!

19 abril, 2011 Deixe um comentário

Médico monstro, Roger Abdelmassih pode ter fugido para o Líbano, saindo do Brasil pelo Paraguai e comprando um passaporte falso lá.

Condenado há 278 anos de prisão por crimes sexuais contra mais de 30 clientes, ele fez o que a cartilha do bom criminoso (ou do criminoso bem assessorado) brasileiro faz: se apresentou a justiça, respondeu processo em liberdade, e FUGIU!

Pode nunca mais voltar para o Brasil, ou voltar muito velho para responder por qualquer coisa.

Só vi esta notícia na Band, em nenhum outro site ou telejornal.

Eeeeuuuu?? Fugiiirrr?? Que absuuuurdo....

%d blogueiros gostam disto: